05 de May de 2023

Grupo Flora: 30 anos de simbiose com o meio ambiente

Ser o elo de harmonia da vida com o meio ambiente. Como Flora, tendo como princípio o Esho-funi, Percorrerei o Mundo ao Som da Suprema Lei do Universo (Trecho do poema-juramento do Grupo Flora)

Atuais líderes do Grupo (da esq p/ dir.)): Aline, Letícia, Karen e Stephanie

O Grupo Flora, composto por integrantes do Núcleo Feminino Jovem, completa este ano, três décadas de existência. Suas líderes, todas profissionais da área ambiental, celebram essa importante efeméride explicando sobre a relação da filosofia humanista do budismo Nichiren com o Meio Ambiente. O livro Vida, um enigma, uma joia preciosa, de autoria do presidente da SGI, dr. Daisalu Ikeda tem passagens bastante eloquentes sobre o tema meio ambiente e o budismo. Segundo consta na obra, a influência da energia vital de um único ser humano tem o poder de expandir-se e abarcar toda a humanidade, promovendo ondas de positividade. É o conceito budista do Esho Funi – a inseparabilidade do sujeito e seu meio.


Se os seres humanos abrirem os olhos para o ritmo harmonioso do universo e coexistirem de modo pacífico com todas as formas de vida, eles reforçarão a função da linha da vida e construirão um universo em que a humanidade desfrutará amor, confiança e compaixão plenos, e as atividades da mente humana impulsionarão esse ser vivo — a natureza — a dar continuidade em seu trabalho criativo.


A engenheira agrônoma Aline Erika Hori, budista desde o nascimento, atua profissionalmente na área e, ressaltou que no grupo Flora, “pude compreender mais sobre minha missão na sociedade em relação à causa socioambiental”. Ela enfatiza que “com base no princípio de esho funi, a crise ambiental que a humanidade enfrenta decorre, em grande parte, da atuação destrutiva do próprio homem. Nesse sentido, Aline crê que prática budista da revolução humana[i], é essencial para tornar a Terra um local de coexistência harmoniosa com os seres e seu meio, além de sustentável para as gerações futuras. Porque ao elevarmos nossa condição de vida interior aumentamos a percepção, o poder de reflexão e ação em relação ao meio ambiente e a sustentabilidade.


Letícia Rodrigues Amendola é gestora ambiental e ressaltou que sua atuação no Flora fez com que se tornasse uma pessoa mais consciente sobre sua responsabilidade em todas as esferas. Ela explicou que o grupo tem duas frentes: no monitoramento e conscientização dos grupos de visitação ao Centro Cultural Campestre, explicando sobre os locais e a importância das áreas de conservação ambiental; a segunda tem a ver com a promoção de palestras ambientais nos encontros dos Núcleos de Base da BSGI. “Eu poderia falar do esho funi mas é muito mais que isso. Cada vez mais entendemos que budismo é vida diária, não é aquele tempo determinado da reunião”, explicou. Ela ressalta a importância de se manter uma postura de um cidadão digno, responsável nas suas ações e na maneira como leva a sua vida. Ela coloca que muitas ações do dia-a-dia impactam negativamente o meio ambiente e, as palestras do Grupo Flora buscam elevar a consciência cidadã, de forma simples e clara para que todos possam refletir e se engajar no movimento de sustentabilidade.


A mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente e gestora ambiental, Stéphanie Birrer, é budista desde a primeira infância e se orgulha de ter crescido nos “jardins” da Soka Gakkai do Brasil. Como as demais, ressaltou a importância de se conhecer e cultivar o conceito do esho funi, que, segundo ela, também tem a ver com o “companheirismo, a sinceridade e a compreensão de como podemos contribuir para um planeta melhor, são aspectos que pude aprender no Flora”. Ela ressalta que o esho funi é um princípio importante para compreensão do potencial ilimitado de cada pessoa, pois, “compreender e valorizar a sociobiodiversidade brasileira pode contribuir para a expansão da nossa compreensão da realidade”.


A coordenadora nacional do grupo, Karen Kumagai, que é tecnóloga em saneamento ambiental e engenheira ambiental e budista  , destaca que o Flora lhe trouxe uma compreensão muito maior do que é o conceito budista do esho funi. Ela exemplifica com uma citação eloquente do dr. Ikeda:


Precisamos construir uma sociedade em que todos possam desfrutar de uma vida pacífica e segura e, para isso, temos de estabelecer firmemente os princípios do respeito pela vida e pela dignidade humana. Não há como medir a preciosidade de cada vida. Não devemos permitir que a tendência a diminuir o valor da vida e dos seres humanos prevaleça. Pelo contrário, é vital que nos esforcemos para criar uma sociedade que valorize a vida e a felicidade de cada indivíduo. Essa é a prática do estabelecimento do ensinamento correto para a paz da nação no século 21.


“O que aprendi dentro do grupo Flora: a grande questão de interrelacionar o meio ambiente com o budismo e reformar o coração das pessoas. A chave da transformação do comportamento humano para valorizar o ambiente em que vivemos está na mudança interior”, finalizou Karen.


 






[i] O termo “revolução humana” indica uma transformação do ser humano, uma mudança interior da vida no nível mais fundamental do ser.



Voltar para o topo

Outras notícias

July de 2024

June de 2024

March de 2024

January de 2024

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI