13 de Março de 2014

Pequena grande mulher!

A história de vida de Sueli Ogawa, coordenadora do Núcleo Feminino da BSGI

Sueli Ogawa, coordenadora do Núcleo Feminino da BSGI

A coordenadora em ação

À primeira vista pode até parecer frágil. Porém, ao se deparar com a profundidade de seus olhos e a verve bem humorada de suas palavras, o interlocutor se surpreende. Positivamente. Esta é Sueli Ogawa, dotada de uma sensibilidade forte, cativante e emocionante. É capaz de fazer calar toda uma platéia. Não há um só ser – homens, mulheres e crianças – que não se deixe enlevar e gargalhar com sua fala que emociona, faz rir e penetra profundamente em corações e mentes. Sempre em meio – nunca sobre ou à frente, como faz questão de enfatizar – de suas mais de 60 mil companheiras, associadas da BSGI do Núcleo Feminino, Sueli é o rosto amigo, sincero e honesto, pronto para acolher, consolar e compartilhar forças.


Filha de imigrantes japoneses que aportaram no Brasil em meados da década de 1960, Sueli é a primogênita de uma prole de cinco. Sempre muito espirituosa e obstinada, o pai sabia que sua filha mais velha não se contentaria com a vida simples que ele poderia lhe legar. “Eu não entendia como a vida funcionava e culpava a tudo e a todos. Principalmente meu pai”, conta.


Na adolescência revoltou-se contra o seu o destino e discutiu. “Para que mulher tem que estudar? Mulher tem que ficar em casa, cuidar de filho!”, disse-lhe o pai Shimpei em certa ocasião. Ele só dizia isso para lhe poupar a dor da frustração, pois sabia que não lhe poderia dar o que desejava. “Só muito depois eu fui entender que ele falara isso para que eu me conformasse e não sofresse”, explica Sueli.


O pai Shimpei Soyano migrou para o Brasil em 1965 e foi morar em Campinas (cerca de 100 km da capital São Paulo), onde conheceu a BSGI. Era um jovem de 28 anos cheio de ambições e esperanças por um futuro melhor. Veio para fugir de seus problemas familiares, da miséria e da pobreza. Como não tinha experiência em coisa alguma e não dominava o idioma, foi direto para a zona rural, trabalhar na lavoura.


A solidão em um país estrangeiro pode ser devastadora e, num repente de coragem escreveu à moça que conhecia de vista – vizinha sua no Japão – convidando-a para se juntar a ele nesta aventura. Surpreendentemente, ela aceitou. A jovem Miyoko, porém, também fugia de seu destino, de um pai que bebia para esquecer a luta na guerra e de um lar repleto de desarmonia. “Vindo para o Brasil, ela achou que encontraria a porta da esperança. Entretanto, encontrou um marido exatamente igual ao pai dela”, conta. Foi em meio a essa situação caótica que nasceu Sueli. “Desde criança, eu não conseguia entender nossos sofrimentos”, reflete.


A criança cresceu vendo um lar se desestruturando à sua frente. As dificuldades financeiras levavam o pai ao álcool e daí às discussões entre o casal. Quando adolescente Sueli intrometia-se nas brigas. “Falava que eu não tinha pedido para nascer e pedia para minha mãe largar do meu pai e irmos embora. Algumas vezes, presenciava discussões e ficava com medo de sair, pensando que minha mãe não estaria em casa quando voltasse da escola”, conta emocionada.


Embora seu pai já conhecesse a BSGI, não colocava em prática a filosofia humanista. Vivia para o momento, dilacerado pelo peso de suas inúmeras dificuldades. Sobre esse período, Sueli conta que hoje compreende que se tratava de karma1 a questão crucial é transformar o momento presente no local onde se está, pois atraímos vidas idênticas à nossa”, explica. Sua família não entendia que era preciso mudar, transformar as circunstâncias, a começar pela própria casa, e dedicarem-se à prática individual bem como nas atividades da organização em prol das pessoas. Diante das dificuldades, sua mãe, aconselhada por associados veteranos da região onde moravam, decidiu tomar o destino em suas mãos e mudar a sua vida de forma radical.


Nessa ocasião, viviam em Mococa, e mudaram para Campinas. Sueli já estudava nessa cidade e vivia na casa de uma família de associados. Quando seus pais chegaram, decidiram montar um negócio, mas em pouco tempo perdeu tudo. “Meu pai ficou com o nome sujo, vários protestos, dívidas, sem profissão e cinco filhos para criar”, conta. Foi nessa ocasião de grande desespero que a muito jovem Sueli despertou para a sua missão. Tinha 12 anos e, embora ainda restasse muito ressentimento contra o pai, decidiu dedicar-se a mudar a sua vida, junto com a mãe. “Assumi a responsabilidade pela minha felicidade e passei a me dedicar à propagação da filosofia humanística do Budismo Nitiren em prol da paz e pela felicidade das outras pessoas!”, exclama.


A mudança para São Paulo, São Mateus, Zona Leste da capital, viu surgir uma nova mulher. Seu primeiro emprego foi como ajudante de faxina. Seu pai empregou-se como ajudante de serralheiro na mesma oficina. “Eu tinha três metas: que meu pai tivesse uma profissão, que nossa família comprasse uma casa e que eu cursasse uma faculdade”, elenca. Aos poucos, com a melhora da situação, conseguiu cursar a faculdade tão almejada. “Hoje, sou formada em Ciências Contábeis, mas sou é contadora de histórias. [risos]”, diverte-se.


Com profunda gratidão, Sueli recorda-se do carinho dos veteranos que incentivavam seus pais, sem nunca desanimarem muito menos desistirem deles. Mesmo diante das repetidas recusas de seu pai, cansado pelas vicissitudes da vida, o veterano continuava a visitá-lo. “Esses momentos ficaram eternamente gravados em minha vida”, emociona-se novamente.
Em 1984, quando da terceira visita ao Brasil do presidente da SGI, dr. Daisaku Ikeda, Sueli atuava no Núcleo Feminino de Jovens. Devido à sua tenacidade e bom humor, foi designada para o hotel onde a comitiva se hospedou. Em uma ocasião, pediram-lhe que levasse um documento a outro andar. Ao sair do elevador, deparou-se com o presidente Ikeda. Emudeceu e não soube o que fazer. Ele se aproximou sorrindo e disse: “muito obrigado”. Aquele encontro ficou gravado nas profundezas de sua vida. “Naquele momento senti a enormidade daquele homem e jurei nunca traí-lo”, ressalta.


Trinta anos se passaram desde aquele encontro e daquela pequena e atônita jovem, surgiu uma pequena mas grandiosa mulher, resoluta, decidida e mais obstinada do que nunca. Pouco depois de assumir a liderança do Núcleo Feminino da BSGI, em 2009, Sueli foi ao Japão e reencontrou-se com o dr. Ikeda. “Eu estava bastante apreensiva. Viajei com o sentimento de representar dignamente cada companheira do Brasil”, enfatiza. Minutos antes da reunião começar ela foi informada que ficaria no palco. O presidente da BSGI, Júlio Kosaka, sentou-se ao seu lado e disse-lhe, apontando para uma porta: “Olha, o presidente Ikeda vai entrar por ali. Fale tudo o que você tem para dizer a ele”. Ao vê-lo, espantou-se: “não dá para explicar. [pausa] É uma energia que muda totalmente o ambiente”, elucida. Sua impressão do ocorrido foi a de que ele observava a tudo e a todos com o coração de quem quer abraçar e acalentar cada companheiro presente.


“Segurando a mão dele, eu disse: ‘Muito obrigada!. Por favor, fique tranquilo. Nós vamos atuar com toda a união’. Ao que ele respondeu: ‘Estou tranquilo. Estou tranquilo’. E tocou em meu rosto. Compreendi que ele queria dizer: ‘Eu conto com você. Conto com cada membro do Núcleo Feminino do Brasil’. Naquele momento, não era somente eu quem estava ali. Representava as nobres veteranas e as integrantes do Núcleo Feminino da BSGI. Foi um momento único! Sublime!”, detalha a coordenadora.


Perguntada sobre os planos do Núcleo que lidera para este e os anos vindouros, ela diz simplesmente: “cada companheira deve ser o Sol que ilumina e aquece o coração das pessoas ao redor, principalmente na família. Precisamos ser radiantes como o Sol e proporcionar um ambiente em que todos atuem com alegria e tranquilidade. Devemos iluminar e irradiar esperança. Basta ser você mesma, todos os dias!”.


 


1 Em sânscrito, karma significa "ato deliberado". Nas suas origens, a palavra karma significava "força" ou "movimento". A literatura budista esclarece que significa que cada pessoa receberá o resultado das suas ações. Causa e efeito, ou consequência.

Voltar para o topo

Outras notícias

Junho de 2016

Maio de 2016

Abril de 2016

Março de 2016

Fevereiro de 2016

Janeiro de 2016

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI