25 de Setembro de 2014

O mundo todo é o nosso palco!

Uma homenagem da BSGI ao Dia Nacional do Teatro

Máscara: ícone da representação teatral

“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos” (Charles Chaplin)


Embora seja comum associar o teatro à Grécia Antiga, é preciso lembrar que esta arte sempre esteve presente em toda a história humana. Desde as cavernas, antes mesmo de adquirir uma fala articulada, o homem já representava, como forma de comunicar-se. A magia da contação de histórias – seus feitos e destrezas – aliados aos desenhos rupestres era uma forma de interpretar e reinventar a vida pois, “quem conta um conto, aumenta (ou recria) um ponto”. Etimologicamente a palavra teatro deriva do Latim theatrum, e do Grego theatron, literalmente “lugar para olhar”, e de theasthai, “olhar”. O sufixo tron, significa “lugar”[1]. E o Dia Nacional do Teatro é comemorado em 19 de setembro.


Escreveu o célebre dramaturgo inglês William Shakespeare: “Estamos todos num mesmo barco em mar tempestuoso e devemos uns aos outros uma terrível lealdade(...) O mais importante da vida não é a situação em que estamos, mas a direção para a qual nos movemos.Toda a vida humana tem a ver com o teatro, embora somente uma pequena parcela da população brasileira tenha o hábito de assistir a espetáculos de teatro. O título deste texto tem a ver com o cotidiano social onde cada indivíduo tem um papel e representa-o em seu dia-a-dia. Desde o início da civilização, em qualquer parte do mundo, o homem sempre representou. E isso nada tem a ver com causar uma falsa imagem ou o desejo de ludibriar, ou “pregar peças” em alguém. A representação no teatro da vida é uma realidade, só limitado pela capacidade de imaginar.


O teatro é um simulacro da vida e a representação dela no palco nos leva à reflexão profunda”, enfatiza o ator, diretor e produtor teatral, Ronaldo Robles. Associado da BSGI ele coordena o Núcleo de Artistas humanistas da organização e ressalta que “ao subir no palco, o ator busca oferecer à platéia o seu melhor e com isso realizar uma troca energética com cada espectador”.


Foi na Grécia que a arte teatral, da forma como conhecemos hoje, surgiu. As produções, até então, tinham cunho religioso e basicamente homenageavam os deuses. Cada ator vivia um personagem que louvava as virtudes e as destrezas destes, sempre no papel de mortais. Um dia, um destes atores chamado Tespis, cobriu o rosto com uma máscara, adornou os longos cabelos com cachos de uva – uma clara alusão à figura do deus do vinho e das festas, Dionísio – entrou no palco e declarou em alto e bom som: “eu sou Dionísio!”. Foi um assombro geral pois nunca alguém se colocara no lugar de uma divindade. Foi uma afronta e um assombro generalizado. Porém, mesmo sem saber, sua ousadia deu origem a uma das mais antigas e celebradas artes. Naquele momento nascia a Arte Teatral!


Daí para frente a evolução natural fez com que as artes se integrassem. Hoje é comum vermos que cada vez mais as produções exigirem a utilização de teatro, música, dança, artes visuais, multimídia com efeitos de computação gráfica, filmes e efeitos visuais e sonoros. Não há limites para a criação humana. Mesmo produções sem grandes recursos financeiros conseguem realizar espetáculos de grande impacto pois a criatividade humana supera os obstáculos e impulsiona as mentes ao surpreendente e ao fantástico.


O teatro representa hoje mais do que um local ou uma produção teatral. É o símbolo da genialidade e da imaginação humana, capaz de desvendar mundos, promover consciências, disseminar idéias e ideologias, levar à reflexão, proporcionar momentos de encantamento e, mais que tudo, brindar a incrível sabedoria de toda a espécie humana! Afinal, como enfatizou Arthur Miller[2], “o teatro não pode desaparecer porque é a única arte em que a humanidade enfrenta à si mesma”.


[1] Site de Etimologia – http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/teatro/


[2] Arthur Asher Miller (17/10/1915~10/02/2005) dramaturgo novairquino, autor de várias peças que se tornaram grandes clássicos da arte teatral como A morte do caixeiro viajante e As bruxas de salem. 

Voltar para o topo

Outras notícias

Setembro de 2016

Agosto de 2016

Julho de 2016

Junho de 2016

Maio de 2016

Abril de 2016

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI