16 de Outubro de 2014

Mais do que simples comida...!

Repensar o alimento que nos chega à mesa é também proteger o planeta

Alimento: fonte de vida e de conscientização

Imagine o homem primitivo em sua caverna, solitário e faminto. Sua capacidade de compreensão do mundo é limitada às suas necessidades mais básicas. A mais imediata é a alimentação, sem saber de onde virá a próxima refeição ele se defronta todos os dias em uma luta infinda pela sobrevivência. O dia 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação Saudável, deve ser um momento de reflexão quanto ao modo como nos relacionamos com a comida que ingerimos. Precisamos deixar de lado o viver para comer, e incorporar o comer para viver como lema.


 
Esse viver perpassa pelo inevitável dilema: até 2050, serão mais 2 bilhões além dos já 7 bilhões de indivíduos dividindo este mesmo planeta! Não será tarefa fácil. Daqui para frente, uma nova consciência deve ser apreendida sob o risco da extinção da espécie humana sobre a Terra. Toda escolha dos alimentos a consumir podem resultar em conseqüências radicalmente decisivas. A se manter a atual tendência em basearmos nossa dieta em carne e laticínios em detrimento a cereais integrais, frutas e legumes, os recursos energéticos podem ser insuficientes para alimentar todos esses bilhões de pessoas.


Há pouco mais de um século a fome era companheira constante de mais de 50% da população mundial pois produzia-se bem menos do que era necessário. Hoje, a fome ainda existe, mas não se trata mais de escassez de alimentos, mas de miséria causada pela má distribuição de renda. A comida existe e é diariamente desperdiçada às toneladas em todas as partes, seja em países desenvolvidos, seja nos menos providos de recursos.


O mundo globalizado dissemina os produtos por todos os países. O mercado japonês se abastece de carne de frango do Brasil, e este por sua vez tem em todos os grandes centros, vinhos, queijos, embutidos, geléias etc da Europa, Ásia, Oceania, África e Américas. A comida importada que chega às mesas de todos os que podem compra-la não somente custa mais em dinheiro, mas imensamente ao meio ambiente. Se cada cidadão estadunidense realizasse apenas uma refeição por semana exclusivamente com produtos obtidos em sua região, o país economizaria 1,1 bilhão de barris de petróleo toda semana*, relativo ao transporte dos alimentos. Só aí já seria um enorme ganho, sem mencionar a quantidade de CO2 que deixaria de ser descartada na atmosfera.


Desde que o homem fundou suas primeiras aldeias, o tipo de alimentação foi o pilar a definir todas as culturas. O arroz na Ásia, o trigo na Europa e milho na América (só no Brasil a base da alimentação indígena era a mandioca). As grandes navegações do século XV e XVI iniciaram o processo de globalização. Só para se ter idéia: o molho de tomate das italianíssimas massas, por exemplo, é feito com o fruto de uma planta nativa da América Central que começou a ser cultivada pela Civilização Inca. A manga e a berinjela vieram da Índia. O pêssego da China. A laranja, a banana e a alface também são asiáticas. O brócolis é europeu, assim como o repolho. A batata é nativa do Peru e a cenoura, do Afeganistão. Já a castanha do Pará, o açaí, o caju, a já citada mandioca e a goiaba são genuinamente brasileiros.


Desde aquele longínquo passado primitivo nas cavernas quando o alimento vinha exclusivamente da caça até a indústria agrícola de hoje, passaram-se pouco mais de 200 mil anos. E, nos últimos 100 anos, a espécie humana nunca teve tanta comida à disposição. O escritor italiano, fundador da Universidade de Ciências Gastronômicas de Pollenzo, Carlo Petrini, há várias décadas debruça-se sobre os encargos dessa produção desenfreada e desmedida. Não pesquisando apenas em termos de desperdício, mas em termos de saúde pública – a obesidade é uma das maiores preocupações da medicina atual – mas tendo em vista os próximos 100 anos.


Petrini é o precursor do movimento Slow Food – em contraponto óbvio com o Fast Food – onde a atividade principal são os encontros Terra Madre, ou Mãe Terra, de reúne milhares de produtores de alimentos de todo mundo para discutir os problemas e encontrar as soluções possíveis. “Nas últimas décadas temos assistido a um empobrecimento gradual dos sentidos – a nossa capacidade de sentir, saborear e cheirar”, alerta. Segundo ele o aumento da velocidade de nossas vidas nos priva da capacidade de experimentar a verdadeira diversidade e autenticidade no mundo ao nosso redor. A humanidade perdeu o contato com a terra, com o tempo, as tradições, conhecimento, cultura e gastronomia. Os momentos de encontro com raízes nos antigos rituais da vida diária e do ciclo das estações do ano não fazem mais parte da nossa experiência. O sabor uniforme de alimentos industriais, que são as mesmas em todo o mundo, tem empobrecido a nossa capacidade de reconhecer alimentos.


“Se você está preocupado com o destino do planeta, a definição de boa comida vai além de considerações como gourmet; deve ser eco-gourmet, ou seja, temos de estar conscientes do impacto potencial de nossas escolhas”, enfatiza. Para tanto, o pesquisador convida todos a se tornarem eco-gourmets, cuja a qualidade é definida por três adjetivos: bom, limpo e justo.
Por bom, entenda-se ir além das qualidades evidentes, mas que derivam do domínio complexo de sentimentos, memórias e senso de identidade que surgem de nossas associações emocionais com comida. Por limpos são aqueles que não estressam a terra, que são produzidos com respeito ao meio ambiente natural. E justo significa que está de acordo com os conceitos de justiça social no que diz respeito à sua produção e comercialização.


A rede Terra Madre reúne agricultores e pescadores, artesãos e produtores, chefs e acadêmicos. Esta é a face positiva da globalização. “O grupo dá voz aos que não aprovam os modelos desumanos de produção e de fixação dos valores de mercado para o mundo dos vivos. É precisamente a partir do Sul global – de pessoas em risco diário de ser esmagado por uma avassaladora dinâmica de mercado – que o grito de solidariedade surge”, exulta o pesquisador.


*Dados retirados do livro O mundo é o que você come – uma família prova que você pode comer cuidando da sua saúde e da saúde do planeta, de Bárbara Kinsolver

Voltar para o topo

Outras notícias

Agosto de 2016

Julho de 2016

Junho de 2016

Maio de 2016

Abril de 2016

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI