08 de May de 2022

Mães Soka: desafiando e transformando realidades

A mãe é o sol do lar e da família. Mais ainda, é o sol de todas as pessoas do mundo. Por mais difícil que seja a realidade da vida, o resplendor do sorriso jamais se apagará tendo a presença da mãe (Daisaku Ikeda)

Da esq.p/dir.: Cristina e Olga; Fernanda e Davi Lucca: Caroline e suas 3 filhas: Ana, Eloisa e Laura

Não é à toa que o Dia das Mães é uma das efemérides mais celebradas do ano. O segundo domingo do mês de maio é comemorado em todo o Brasil de forma unânime. Isso porque, segundo o presidente da SGI, dr. Daisaku Ikeda, “a mãe é a grande geradora de otimismo. Quando ouvem o seu nome, os filhos revigoram suas energias. E quando ouvem sua voz, obtêm com saudade, a força que vem lá do berço”. Para homenagear as mães em seu Dia trouxemos as histórias de três mães Soka que tiveram seus bebês durante a pandemia da Covid-19, mas que nem por isso sucumbiram ao medo e ao pessimismo. Pelo contrário! Cada qual se muniu de força e determinação que só as mães têm a capacidade de invocar, e decidiram trazer ao mundo seus filhos da esperança.


**********


A paulista Fernanda Gonçalves da Silva conheceu a BSGI ainda criança, por intermédio da vizinha, mãe de sua melhor amiga. As mães de ambas sentavam-se juntas para orar e participar das reuniões. “Mas, por algum motivo, minha mãe parou com tudo antes mesmo de se converter”, disse Fernanda. Mas o destino ainda a levaria de volta às atividades da BSGI.


Em 2003 conheceu aquele que viria a ser seu marido: Thiago Lombardi, cuja família já era budista desde antes de seu nascimento. Não tardou para que Fernanda se tornasse budista também. O tempo passou e o sonho de se tornar mãe foi se solidificando, mas as adversidades também. Em 2012 engravidou pela primeira vez, mas sofreu um aborto espontâneo antes dos três meses de gestação. Mas o casal não se entregou. Fernanda decidiu que teria seu herdeiro Soka!


Porém, mais duas gestações e outros dois abortos antes de completado o primeiro trismestre geraram muita angústia e desânimo. “O tempo foi passando, a idade chegando e determinei que queria engravidar novamente e que seria diferente dessa vez, mudei de médico e ele me orientou a procurar um especialista em reprodução humana”, contou.


Uma bateria de exames depois, descobriu-se que Fernanda tinha trombofelia[i]. Além disso, devido aos abortos anteriores teve que passar por uma cirurgia e esperar dois meses para uma nova tentativa de engravidar. A descoberta desse fato se deu em dezembro de 2019.


Por isso, qual não foi a surpresa de ambos quando, sem nenhuma cirurgia, descobriram, em janeiro de 2020, que estava grávida mais uma vez. Medo e alegria se mesclavam em seu coração. Devido a doença, teria que receber injeções caríssimas de anticoagulantes que não são cobertas pelo SUS ou qualquer programa governamental. “Mas, como não há oração sem resposta e como trabalhava num consultório médico, consegui todas as injeções com um propagandista farmacêutico, gratuitamente!”, exclamou Fernanda.


Foi então que em março de 2020, realizaram o chá revelação do pequeno príncipe Davi Lucca. Logo depois disso, o mundo recebeu a notícia da pandemia. Devido ao lockdown Fernanda foi afastada do trabalho e pode passar a gravidez inteira em casa, com tranquilidade e repouso necessário. Até que em setembro, celebraram a chegada do pequeno Davi Lucca, “O Davi sempre nos vê, eu e pai dele, realizando a prática diária e já senta conosco para orar. Participa desde de bebê das reuniões online. Não tenho dúvidas que ele será um grande valor para a sociedade, seguindo os princípios humanistas Soka!”, finalizou a orgulhosa mãe de Davi.


*****


Caroline Martins Rosell é moradora de Cacoal, em Rondônia, extremo Norte do país. Assim como Fernanda, conheceu a BSGI por intermédio do hoje marido, Jonathan. “Na época eu frequentava outra religião e foi pelas mãos dele que tive meu primeiro contato com o budismo”, contou.


Ela já tinha duas filhas, Ana Carolina, de 14 anos e Eloisa Joaquina, de 10, quando descobriu, em plena pandemia, que seria mãe pela terceira vez da pequena Laura Beatriz. “Tive muito medo, pois a pandemia gerou muita insegurança”, contou. Foi um momento de grande incerteza e angústia pois ninguém sabia o que viria pela frente. “Foi uma gestação não planejada e por termos familiares da área da saúde sabíamos que teríamos que redobrar os cuidados e as orações para enfrentarmos tudo o que viria pela frente”, explicou.


Já as filhas mais velhas ficaram radiantes com a notícia. Ambas desejavam há muito um bebê em casa. Caroline manteve-se trabalhando tomando todos os cuidados e orando com muito mais intensidade e vigor para que a gravidez transcorresse com tranquilidade. Mas a vida reservara à Caroline um grande desafio.


Com quase 8 meses de gestação, contraiu a covid e teve de ser intubada. Foram momentos tensos em que toda a família se uniu em oração. Devido o risco da cesárea (é uma cirurgia de grande porte), aguardaram que seu quadro se estabilizasse. Quando finalmente a pequena Laura nasceu, Caroline ainda estava desacordada pela intubação. Seguiram-se 30 dias em coma e, devido a gravidade de seu quadro, Caroline foratransferida para a capital do estado, Porto Velho.


Esposo e filhas foram para lá e ficaram hospedadas gratuitamente na casa um samaritano. Já a bebê teve alta e pode esperar a melhora da mãe com o pai e irmãs. Foram momentos intensos de muita união entre os familiares e então, após 59 dias de internação, Caroline pode deixar o hospital. “Conheci a neném quando ela já estava com 47 dias, e eu ainda internada na enfermaria do hospital. Laura é uma bebê esperta, tranquila, atenta a tudo!”, exclamou a orgulhosa mãe de Laura, o bebê que venceu a covid. E Caroline fez questão de acrescentar no final que: “e ela fica quietinha na hora da oração budista!”.


*****


Moradora do bairro Colégio, na cidade do Rio de Janeiro, Cristina Lameira é a feliz mãe da pequena Olga, uma bebê que chegou em sua vida já vencendo diversos desafios. Cris nasceu e cresceu em meio às atividades da BSGI. Aos 16 anos venceu um câncer de intestino e foi sua grande prova de vida da força desse budismo. Mas o destino lhe traria novos testes para a sua fé. Em 2019 e 2020 engravidou mas perdeu ambos os bebês. Não planejaram a terceira gestação em plena pandemia, mas foi festejada da mesma forma. Intensificaram as orações para que dessa vez o sonho da maternidade se concretizasse.


Cris e seu marido tomaram todas as precauções sanitárias ao longo dos nove meses, pois os desafios da mulher com mais de 40 anos que engravida são ainda maiores. “Eu curti demais a minha gestação, sou uma ‘mãe coroa’, sabia dos possíveis riscos dessa escolha, mas não tive medo e nem dúvida. A oração e as orientações do presidente da SGI, dr. Daisaku Ikeda, foram a bússola para me guiar nessa viagem”, enfatizou.


Devido a idade e alguns marcadores surgidos num ultrassom, havia a possibilidade de o bebê ser portador da Síndrome de Down. Foi lhes sugerido realizar uma amniocentese[ii], a qual foi declinada por ser um exame invasivo e trazer riscos ao bebê. “Oramos todos juntos para que se realmente a criança tivesse alguma Síndrome, nós tivéssemos a sabedoria para criá-la e que, por meio dos ensinamentos budistas, ela fosse mais que especial, que fosse um ser humano de grande valor e muito feliz”.


Chegou enfim o dia do parto e após uma difícil cesárea, uma bebê perfeitamente normal e esperta, a pequena Olga, foi colocada sobre o peito da mãe Cristina e a conexão se estabeleceu imediatamente. Encontrando o seio, a pequena Olga, a filha da determinação e da coragem, sugou com força e, segundo Cris. “nem parecia ser a primeira vez que fazia aquilo”.


Cristina descreve que Olga é um bebê superesperto, grande e bem desenvolvido para sua idade. Sorridente, falante em seu idioma, o ‘bebenês’, como diz o pai. Não costuma estranhar ninguém, desde que a pessoa não chegue se comunicando de forma muito eufórica. “Mas depois que pega intimidade, é só simpatia”, declarou orgulhosa.


“Ser mãe da Olga: ela chegou poucos dias antes da primavera e coloriu a minha vida em flor. E eu que não gostava de rosa, me vi inundada de uma aura rosada trazida por essa menina linda que me fez conhecer mais uma camada de mim”, finalizou Cris.


*****


O dr. Ikeda assim define a força das mães:


“O potencial de mãe é como o poder da terra. Tal como a terra dá frutos, a mãe é a grande terra da criatividade e da educação. Quando ela se move, tudo se transforma. Seu potencial de mãe é capaz de mudar o lar, a comunidade, a sociedade e a própria época. Ela transforma a terra num mundo de paz.”






[i] A Trombofilia é uma condição de hipercoagulabilidade sanguínea. É como se o sangue se tornasse mais espesso, mais grosso. Na gravidez, a trombofilia representa sério risco de abortos repetitivos e riscos acentuados de problemas no desenvolvimento do bebê e até mesmo, de morte materna durante e no pós-parto. (https://www.tuasaude.com/trombofilia/)


 




[ii] Amniocentese é um procedimento ambulatorial e consiste na punção da cavidade amniótica pela via abdominal por meio de uma agulha, guiada por meio da ultrassonografia. (https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/ginecologia/amniocentese/)



Voltar para o topo

Outras notícias

June de 2022

May de 2022

April de 2022

March de 2022

February de 2022

January de 2022

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI