30 de Junho de 2014

Exemplos emblemáticos

O astro Balotelli (no centro) na periferia da Bahia

O Dynamo de Kiev em foto de 1941

O BSGI Newsletter não poderia deixar de destacar alguns fatos que marcaram a história, tanto do esporte quanto do mundo.


Do livro do genial e igualmente emblemático escritor uruguaio, Eduardo Galeano, Futebol ao sol e à sombra, salta este impressionante trecho que reproduzimos na íntegra para que o leitor usufrua um pouco do magistral escriba portenho:


O futebol e a pátria estão sempre unidos; e com freqüência os políticos e os ditadores especulam com esses vínculos de identidade. (...) para os nazistas o futebol era uma questão de Estado. Um monumento lembra, na Ucrânia, os jogadores do Dynamo de Kiev de 1942. Em plena ocupação alemã, eles cometeram a loucura de derrotar uma selação de Hitler no estádio local. Tinham sido avisados:


– Se ganharem, morrem.


Entraram resignados a perder, tremendo de medo e de fome, mas não puderam agüentar a vontade de ser dignos. Os onze foram fuzilados vestidos com as camisas, no alto de um barranco quando terminou a partida.


Já o astro da Costa do Marfim, Didier Drogba, com um gesto de coragem e ousadia, acabou com a guerra civil que se arrastava há cinco anos em seu país.


Em março de 2007, uma partida válida pela qualificação da Taça das Nações Africanas contra Madagascar, Drogba exigiu que a partida fosse realizada em pleno território rebelde. Bouaké era sede das tropas rebeldes do norte. O craque marfinense conseguiu reunir lado a lado, o presidente Laurent Koudou Gbagbo e o lider guerrilheiro Guillaume Kigbafori Soro, que hoje é primeiro-ministro do país. A Costa do Marfim goleou Madagascar por 5 a 0 e no dia seguinte, jornais marfinenses noticiaram: “Cinco gols para acabar com cinco anos de guerra”. Na ocasião, Drogba exclamou: “Foi como se a Costa do Marfim tivesse renascido”.


“Drogba e a seleção conseguiram fazer em 90 minutos o que os políticos não conseguiram fazer durante anos: unir a Costa do Marfim”, disse Guy Denis Koné, rebelde das forças de oposição, que assistiu ao jogo no estádio.


O controverso atacante italiano Mario Balotelli pode ser um encrenqueiro em campo, mas fora dele, atua com tranqulidade e sem merchandising para mudar a sociedade. E que nem é a dele!


Em parceria com um amigo brasileiro Marcio de Jesus, ele mantém empresa de capacitação de adultos na comunidade de Mata Escura na periferia de Salvador, capital baiana.


A meta da Pandora do Brasil é formar equipes para montar placas de energia solar, trabalho realizado em três etapas: curso de captação solar, eletricista e artesão. As vendas das placas ajudam a bancar o projeto, que recusa doações.


A Pandora do Brasil ensina ferramentas para instituições carentes sobreviverem sem donativos. O astro Balotelli só abre exceção para si, como patrono do projeto. “Na primeira vez, ele bancou o teto da quadra de esportes. Já na segunda vez, deu 13 computadores para o nosso centro tecnológico”, conta Márcio. O atacante de 22 anos não gosta de comentar publicamente sobre suas boas ações fora dos campos, mas ele ainda contribui com os Médicos sem Fronteiras; ajudou na construção de uma escola para crianças no Sudão, na África; apoia o trabalho da Associação Casa do Sol; e participa de diversas campanhas contra o racismo.


 

Voltar para o topo

Outras notícias

Maio de 2016

Abril de 2016

Março de 2016

Fevereiro de 2016

Janeiro de 2016

Dezembro de 2015

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI