21 de December de 2022

Como o budista vê a FELICIDADE

Na filosofia humanística do budismo Nichiren da Soka Gakkai há duas formas de felicidade: a relativa e a absoluta

Uma rápida passada de olhos pelas manchetes do dia é suficiente para deixar o mais incauto dos mortais, no mínimo, em profundo estado meditativo e/ou melancólico. É fato que a humanidade encontra-se num descompasso. Ao mesmo tempo que nunca em sua história houve tamanha oferta de alimentos, é incompreensível e inaceitável que tantos milhões de seres humanos ainda estejam submetidos à fome e à miséria. No que se refere à questão da sociedade, vivemos na era da tecnologia que deveria proporcionar bem-estar e tranquilidade, já que todo tipo de informação necessária está a um clique de distância somente; porém não é o que se vê. Conflitos armados permanecem eclodindo, desequilíbrio ambiental devido ao desmatamento, estamos vivenciando o finalzinho de uma pandemia global nunca antes vista, que ceifou milhões de preciosas vidas humanas. Mas então, onde está a felicidade?


Na visão do budismo Nichiren da Soka Gakkai, existem duas formas de felicidade: a relativa e a absoluta.


Felicidade relativa e absoluta


Conquistar a casa própria, uma promoção, um novo bem de consumo há muito desejado entre outras vitórias semelhantes é o que se denomina felicidade relativa. São os desejos naturais e cotidianos, efêmeros portanto, pois duram o tempo exato da ocorrência de um novo fato da vida. E, muitas vezes, há ainda aqueles que têm a duração exata da chegada do boleto de cobrança e, chega junto com o papel impresso, o arrependimento. Não há felicidade real possível em uma conquista dessa natureza.


Entretanto, a felicidade absoluta é obtida ao alcançar a condição de vida em que nada nem ninguém é capaz de abalar sua serenidade e plenitude. O buda Nichiren, exilado na ilha de Sado em pleno inverno japonês, vivendo numa choupana coberta de palha e tendo como única vestimenta um fino quimono de algodão, num de seus escritos, se auto proclamou “o homem mais feliz do Japão”. Tal afirmação feita em meio a tal circunstância adversa era uma declaração de que atingira sua plenitude espiritual, ou a felicidade absoluta, por ter alcançado a sabedoria suprema de seu propósito naquela existência.


E, ao revelar que, mesmo em sua condição de mortal comum era capaz de se alegrar e se sentir pleno num ambiente tão inóspito, ele deixa claro que se trata de uma condição possível a toda a humanidade, não é exclusiva a ele, pois todos possuem a centelha do buda dentro de si. Ao revelar e potencializar essa essência, a felicidade absoluta se torna real.


Então, como é possível atingir tal condição de vida?


Todos os mais de 12 milhões de associados da Soka Gakkai Internacional no mundo têm a plena convicção de sua condição potencial de buda. Creem que o Budismo Nichiren é o ensinamento que responde à questão fundamental de como cada indivíduo pode obter a felicidade real.


Num discurso proferido SGI-Tailândia pelo presidente da SGI, o dr. Daisaku Ikeda [i] , ele ressalta que “devemos seguir pelo melhor curso de nossas vidas”.


Muitas filosofias, pensadores e religiões se aprofundam e buscam respostas para essa questão. Mesmo nas áreas de nosso cotidiano, como a política, economia ou ciência, também não estão desvinculadas desta questão, pois seu propósito original é ajudar as pessoas a viver uma vida feliz e plena. No entanto, nenhuma dessas áreas consegue uma resposta à simples pergunta: “qual é o melhor curso de uma vida?”. Ninguém possui uma resposta direta e clara que vá ao encontro das expectativas das pessoas.


No curso da vida, vários fatos ocorrem e concorrem para nos perturbar – doenças, dívidas, dissabores afetivos entre outros. São todas as situações que podem acontecer a cada instante e das quais é impossível evitar. A chave para conduzir uma vida sempre à frente das intempéries é a fé e a prática individual e coletiva na filosofia humanística do Budismo Nichiren, promovida e difundida pela Soka Gakkai. A recitação do Nam-myoho-rengue-kyo faz surgir do nosso interior a força para sobrepujar as circunstâncias adversas e também fazer brotar a esperança. Segundo o presidente Ikeda, a esperança é a grande e imensurável fonte de energia vital. Ele enfatiza que a morte da esperança equivale à morte do espírito. Ele exemplifica com os relatos dos sobreviventes dos campos de concentração na Alemanha nazista, durante a Segunda Guerra Mundial. Apenas os que cultivaram a esperança, não sucumbiram. Nada neste mundo é tão forte quanto a esperança e o senso de missão.


No livro Felicidade , do dr. Ikeda, são apresentados seis pontos para cada um edificar sua própria felicidade:


1. Plena realização — Sentir-se bem ao realizar com êxito suas tarefas cotidianas;


2. Possuir uma filosofia profunda — Este ponto confere ao ser um sentido de existência correto, tanto ético como moral. É o que nos faz seguir pelo caminho correto sem sucumbir às constantes armadilhas da vida, como as pequenas contravenções (ultrapassar um farol vermelho, ou mesmo o amarelo; surripiar uma caneta de um balcão de informações; pegar mais de uma amostra grátis; etc);


3. Ter convicção — A decisão advém de uma prática constante, para si e para os outros;


4. Viver alegre e vibrantemente — Quando se cultiva os três pontos acima, este quarto chega naturalmente. Passa-se a ver o mundo sob a luz positiva do humanismo, com a sabedoria de considerar tudo parte de um processo necessário para o auto aprimoramento, mas com o olhar fixo na realidade que o cerca;


5. Coragem — Coragem não é a ausência de medo, mas o modo como controla o temor e desafia a si mesmo a ultrapassar o obstáculo;


6. Tolerância — Esse ponto tem a ver com o olhar complacente de um buda em potencial, que não julgou, nem discrimina; que têm um coração puro e olha para o outro à sua frente e enxerga outro ser humano que também deseja e merece a felicidade. A partir desse sentimento sincero, brota o desejo de ajudar a transformar a realidade à sua volta e a conexão de vida-a-vida se faz.


Finalmente, todos os seis pontos podem ser resumidos na palavra . É somente por meio da fé que cada pessoa conquista sua felicidade absoluta, que passa necessariamente pela consciência de que ninguém é feliz sozinho. Para que eu seja feliz é preciso que os que me são caros, os que se encontram ao meu redor também sejam felizes. O budismo Nichiren concluiu que o caminho para o estado de buda está justamente em cultivar um coração de fé firme e elevado estado de vida altruístico. Quando se ora sincera e fervorosamente pela felicidade de toda a humanidade, atinge-se naturalmente a plenitude, ou a felicidade absoluta.






[i] No Centro Cultural da SGI-Tailândia, Bangcoc, 6 de fevereiro de 1994



Voltar para o topo

Outras notícias

January de 2023

December de 2022

November de 2022

October de 2022

September de 2022

August de 2022

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI